Devocionais

Seja zeloso por Jesus

Uma pessoa zelosa é aquela que é intensamente dedicada a outra pessoa ou a uma causa. Ela fala sobre sua obsessão a qualquer um que se disponha a ouvir. A vida gira em torno desse centro.

Zelotes são diferentes. Eles não se encaixam nos moldes normais. Eles marcham em um ritmo diferente. As pessoas acham que eles são mentalmente perturbados, mas isso não os detém. São indiferentes aos elogios ou às críticas dos outros.

O que faz com que o cristão seja uma pessoa zelosa? Em um momento inesperado, duas grandes verdades manifestam-se em sua alma. Ele fica atordoado ao conscientizar-se de que Aquele que morreu na cruz do Calvário é o Deus eterno, o Criador do céu e da terra. A segunda revelação assombrosa que toma o seu ser é que o Deus Filho morreu por ele, o pecador. A vida não pode mais ser a mesma. Ele diz, em outras palavras:

Tive uma visão e, para mim mesmo, não posso viver.A vida é pior do que inútil a menos que eu tudo queira ceder.

O Senhor Jesus foi uma pessoa zelosa. Conforme vimos em um capítulo anterior, Ele foi consumido de zelo por Deus quando viu os cambistas profanando o pátio do templo. W. Mackintosh Mackay discorre sobre o zelo do Salvador:

Ele era tão zeloso em Sua obra que, com frequência, não tinha tempo sequer para comer e Sua mãe e Seus irmãos quiseram levá-lo para casa certa vez, porque acharam que Ele estava “perdendo a cabeça.” Eles disseram: “Está fora de si”.Contudo, era Jesus o homem são, não Seus irmãos. O entusiasmo é um elemento na propaganda sem o qual não se pode fazer progresso. A história é escrita por entusiastas. Os auges da história são todos vulcões. Todos foram elevados por um fogo oculto que queima por dentro.1

O apóstolo Paulo foi um homem zeloso. As pessoas o acusaram de ser mentalmente transformado. O “mea culpa” dele foi este:

“Porque, se enlouquecemos, é para Deus” (2 Co 5.13). Sua vida como crente consistia em viagens incansáveis, fome duradoura, perseguições, roubos, naufrágios, prisões e julgamentos que fariam outras pessoas voltarem atrás.

John Wesley era um homem zeloso. Ele viajou 400.000 km a cavalo, uma média de 30 km por dia durante 40 anos. Pregou 40.000 sermões, escreveu centenas de livros e falava dez línguas. Aos 83 anos de idade, aborreceu-se por não poder escrever mais do que 15 horas por dia sem que seus olhos doessem e, aos 86, envergonhava-se por não poder pregar mais do que duas vezes por dia. Em seu diário, ele reclamou de uma tendência frequente de ficar na cama até 5h30 da manhã.

C.T. Studd era um zelote. Ele escreveu: “Alguns querem viver ao alcance da música da igreja ou do sino da capela. Eu quero ter uma oficina de salvação a dez quilômetros do inferno”.

O zelo de Jim Elliot foi memorável. Ouça seus batimentos cardíacos em sua reflexão sobre o versículo “Fazes (…) a teus ministros, labaredas de fogo”.

Sou inflamável? Deus, livra-me do terrível amianto de “outras coisas”. Embebe-me com o óleo do Espírito para que eu possa arder em chamas. Porém, a chama é efêmera e costuma ter vida curta. Podes suportar isso, minha alma – vida breve? Em mim habita o Espírito dAquele que é Grande e teve vida breve, cujo zelo por Deus O consumiu. ‘Faz de mim Teu combustível, ó chama de Deus.’”2

Nós devemos ser homens e mulheres zelosos. Como podemos ser complacentes quando temos consciência de que Cristo é o nosso Senhor, que Ele morreu por nós e que há um mundo lá fora que está morrendo sem esperança?

O mundo possui um zelo incrível em eventos atléticos e comícios políticos. As pessoas pagam preços exorbitantes para encher um estádio enorme suportar o desconforto do calor ou do frio para assistir a times de homens disputarem uma bola de couro. No caso de um comício político, elas gritam até ficarem roucas quando seu candidato as agrada com promessas vazias. Se podemos ficar tão animados com momentos de glória irrelevante e efêmera, quanto mais devemos ficar animados com os assuntos eternos?

Eu gosto do que o bispo John Taylor disse em uma conferência de Keswick há alguns anos:

Jovens, sejam tão loucos quanto quiserem por Jesus Cristo, porque, se não forem entusiasmados na adolescência ou na juventudes… rapaz! Você será carrancudo quando tiver 40 anos! Sim, será! Francamente, eu preferiria correr o risco de um entusiasmo excessivo que pode sair dos eixos do que a cautela estável que vai para a cova antes mesmo de morrermos.3 

Creio que, se a Bíblia for verdadeira e se a nossa redenção for tão extraordinária, aqueles que são fanáticos por Jesus estão do lado da razão.

Trecho do livro – O Manual do Discípulo – William MacDonald
Referências do autor:
1 MACKINTOSH, C. H. The men Whom Jesus Made. Londres: Hodder and Stoughton, 1942, p. 187.
2 ELLIOT, Elisabeth. Shadow of the almighty. Nova York: Harper and Bros., 1958, p. 58-59.
3 TAYLOR, John. The People and the King; Living in Hope. Bromley, Inglaterra: STL Books, s.d., p. 98.
Faça seu comentário